Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.4/1475
Título: Banco de tecidos dos HUC/CHUC: casuística e atividades clínicas
Autor: Judas, F
Francisco, C
Dias, R
Palavras-chave: Bancos de Tecidos
Bancos de Ossos
Data: 2012
Editora: Serviço de Ortopedia, Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra
Citação: In: XI Congresso Luso-Brasileiro de Transplantação, Coimbra, 4-6 de Outubro de 2012
Resumo: O Banco de Tecidos dos HUC/CHUC iniciou as suas atividades em 1982 e, até dezembro de 2011, disponibilizou 6319 aloenxertos do aparelho locomotor para aplicação clínica em cirurgia ortopédica reconstrutiva, cirurgia maxilo-facial, Neurocirurgia, cirurgia dentária e cirurgia oftalmológica. Pretende-se apresentar os diversos tipos de aloenxertos preparados e conservados no Banco de Tecidos e analisar os critérios que levaram à não validação de 248 aloenxertos que foram colhidos entre janeiro de 2006 e dezembro de 2011. Os aloenxertos são colhidos em condições de assépsia cirúrgica em dadores não vivos, no contexto da colheita multiorgânica, e em dadores vivos, cabeças femorais excisadas no decurso das artroplastias da anca. O método de conservação mais usado é a criopreservação no vapor do azoto líquido, até -196º C. O Banco preserva também tecidos a -80º C. Nesse período de tempo foram colhidos 2459 aloenxertos, 2291 em 207 dadores não vivos, em paragem circulatória (colheitas multiorgânicas) e 168 em dadores vivos (cabeças femorais na condição de resíduo cirúrgico). Invalidaram-se 248 aloenxertos (10% do total) provenientes de 19 colheitas em dadores não vivos e de 41 colheitas de cabeças femorais, o que corresponde a uma inutilização de 24,4 % dos enxertos colhidos nos dadores vivos e 9 % dos enxertos colhidos nos dadores não vivos. Nos dadores não vivos as causas da invalidação total dos aloenxertos de 18 colheitas foram: culturas microbiológicas positivas - staphylococcus aureus, staphylococcus coagulase (-), streptococus viridans – (12 colheitas); serologia duvidosamente positiva para o antigénio do VIH (1); anticorpo positivo para VHB (1); falta de quarentena (3) e rejeição de aloenxerto renal vascularizado (1). Um aloenxerto ósseo não foi validado por danificação da embalagem. Nos dadores vivos as causas da invalidação foram: culturas microbiológicas positivas - staphylococcus aureus, corynebacterium – (2);. serologia positiva para o VHC (12), para o anticorpo do VHB (8 ) e para o HTLV1/2 (4); falta de quarentena (2); protocolos laboratoriais insuficientes (10); adenocarcinoma (2) e doença de Guillan-Barré (1). A preocupação maior dos Bancos de Tecidos é disponibilizar tecidos de origem humana biologicamente seguros e íntegros. Nesta série, registou-se uma alta taxa de invalidação de aloenxertos, mormente nos provenientes dos dadores vivos.
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10400.4/1475
Aparece nas colecções:ORT - Comunicações e Conferências

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
banco de tecidos poster 1.pdf2,99 MBAdobe PDFVer/Abrir


Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.