Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.4/1443
Título: Hipovitaminose D em doentes internados num serviço de medicina interna
Outros títulos: Hypovitaminosis d in patients admitted to an internal medicine ward
Autor: Santiago, T
Rebelo, M
Porto, J
Silva, N
Vieira, JD
Nascimento-Costa, JM
Palavras-chave: Avitaminose
Data: 2012
Citação: Acta Med Port. 2012;25(2):68-76.
Resumo: Introdução: A hipovitaminose D (hipoD) é uma carência vitamínica cada vez mais frequente nos países desenvolvidos, devido não só a erros alimentares, mas também à pouca exposição solar e ao sedentarismo. Objectivo: Determinar a prevalência de hipoD em doentes internados num Serviço de Medicina Interna e identificar possíveis variáveis associadas. Método: Estudo transversal e observacional onde foram incluídos 123 doentes internados, no período de Abril e Maio. Foram determinados os níveis séricos de vitamina D [25-hidroxivitamina D, 25(OH)D] e subdividida a amostra em três grupos com base nos níveis da 25(OH)D: hipoD grave (<10 ng/mL); hipoD moderada (>10 ng/mL e <20 ng/mL) e um terceiro grupo com níveis adequados de 25(OH) D (>20 ng/mL). Foram registadas variáveis demográficas e factores potencialmente relacionados com a deficiência de vitamina D. Resultados: Nesta amostra de doentes (52,0% mulheres) a média das idades foi 71±17 anos; 67,5% dos indivíduos apresentavam hipoD grave; 25,2% hipoD moderada e 7,3% níveis normais de vitamina D. Os doentes do grupo com hipoD grave eram mais idosos (p=0,027). O mesmo grupo apresentava um maior número de doentes acamados (p=0,022), índices funcionais mais elevados (p=0,009) e maior percentagem de indivíduos com IRC (p=0,011). A análise multivariada com aplicação de modelo de regressão logística revelou que as variáveis associadas a uma probabilidade aumentada de desenvolver hipoD grave foram: consumo de diuréticos (furosemida) [OR=3,673 (1,232-10,956) p=0,020] e a albumina ≤3,25 [OR=5,617 (2,257-13,981) p<0,001]. Conclusão: A elevada prevalência de hipoD grave (67,5%) neste grupo de doentes, alerta para a necessidade da determinação e monitorização das concentrações plasmáticas de 25(OH)D, de modo a iniciar tratamento precoce nos doentes com níveis insuficientes. Os doentes que apresentam consumo de furosemida e a hipoalbuminemia têm uma probabilidade aumentada de desenvolver hipoD grave. O tratamento desta hipovitaminose justifica-se não só pelo conhecimento das consequências clínicas relacionadas com a perda de massa óssea, mas também pela sua associação com a hipoalbuminemia que é um marcador de risco de mau prognóstico em doentes internados.
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10400.4/1443
Aparece nas colecções:MED - Artigos

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Hipovitaminose.pdf424,53 kBAdobe PDFVer/Abrir


Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.