Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.4/1225
Título: A nossa experiência no tratamento de fracturas da diáfise tibial
Autor: Canha, N
Proença, A
Judas, F
Palavras-chave: Fracturas dos Ossos
Fracturas da Tíbia
Data: 1989
Citação: Rev Ortop Traumatol. 1989; 14(2): 119-28
Resumo: As possibilidades terapêuticas nas fracturas da diáfise tibial são múltiplas. Os métodos que temos praticado no Serviço são a osteossíntese com placa e parafusos, “ortopédico-funcional”, encavilhamento e osteotaxis. A osteossíntese com placas e parafusos é um método praticamente abandonado pelo Serviço pelas complicações que acarreta, nomeadamente a necrose cutânea e a infecção. Na revisão da nossa casuística, no tempo decorrido entre 1975-1985 a percentagem de infecção profunda e superficial foi de 15,7 %. No que diz respeito ao encavilhamento centromedular destas fracturas, no mesmo período de tempo, a percentagem de infecção profunda foi de 3,2% e a de infecção superficial situou-se nos 12,9%. Introduzido no Serviço em 1980, o tratamento “ortopédico-funcional” das fracturas passou a ser o método de eleição no tratamento das fracturas da diáfise tibial, de tal modo que presentemente são tratadas por este método cerca de 92% das fracturas deste segmento. Os gessos funcionais apresentam, no entanto, alguns inconvenientes no que se refere à consolidação com encurtamento e desvios axiais. Numa revisão de 1230 fracturas de diáfise tibial tratadas pelo método “ortopédico-funcional”, durante o período de tempo entre 1980 e 1985, os resultados globais obtidos foram muito bons: 82% das fracturas fechadas consolidaram em menos de 16 semanas; apenas 9,3% das fracturas consolidaram com encurtamento superior a 1 cm, e 97% das fracturas consolidaram com desvio inferior a 10º de varo/valgo. Se a redução da fractura não for aceitável, isto é, se o encurtamento for superior a 5 mm, ou a angulação maior que 5º em qualquer dos planos, o tratamento “ortopédico-funcional” deve ser interrompido em qualquer das fases e dar lugar à cirurgia. Nestes casos somos adeptos do encavilhamento centromedular clássico ou aparafusado, segundo as normas de conduta terapêutica definida pelo Serviço, atendendo ao nível e tipo de fractura. Reservamos a osteotaxis para o tratamento de fracturas expostas
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10400.4/1225
Aparece nas colecções:ORT - Artigos

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
fracturas tibia[1].pdf6,36 MBAdobe PDFVer/Abrir


Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.