Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.4/1193
Título: Aloenxertos ósseos na osteossíntese de fracturas traumáticas
Outros títulos: Bone allografts in the osteosynthesis of traumatic fractures
Autor: Freitas-Dias, RM
Carvalhais, P
Matos, P
Judas, F
Palavras-chave: Transplantação Homóloga
Transplantação de Osso
Fracturas dos Ossos
Fixação Interna de Fracturas
Data: 2008
Editora: Sociedade Portuguesa de Ortopedia e Traumatologia
Citação: Rev Port Ortop Traumatol. 2008; 16 (1):31-42
Resumo: Nos últimos anos, assistimos a importantes avanços científicos na área da segurança microbiológica, na imunologia e no conhecimento do comportamento biológico dos aloenxertos do aparelho locomotor, assim como a alterações da legislação que regulamenta as transplantações de orgãos e tecidos de origem humana, o que conduziu a alterações importantes na organização dos Bancos de Tecidos em todo o mundo. Os aloenxertos ósseos podem estar indicados na osteossíntese de fracturas ósseas traumáticas e no tratamento das complicações desse tipo de lesões, área que não tem sido suficientemente divulgada na literatura internacional. No período compreendido entre 1982 e 2007, o BancoTecidos dos HUC disponibilizou 5231 aloenxertos do aparelho locomotor para aplicação clínica. De entre estes e no período compreendido entre os anos 1994 e 2006, foram usados 1078 aloenxertos ósseos na osteossíntese de fracturas ósseas traumáticas e no tratamento de complicações de fracturas, na condição de medida terapêutica complementar: 500 esponjosos granulados, 98 maciços e 480 desmineralizados. O número das fracturas ósseas traumáticas e dos casos com complicações de fracturas foi de 420, distribuídos da seguinte forma: 290 localizados no fémur, 84 na tíbia, 32 no úmero e 14 no rádio. As lesões da extremidade distal do fémur representaram a causa mais frequente da aplicação dos aloenxertos. Nesta série, não foram confirmados casos de infecção associada ao aloenxerto, nem qualquer caso de transmissão de doenças virais aos receptores. A consolidação das fracturas foi conseguida entre os 3 e os 6 meses. Uma reabsorção parcial do enxerto foi verificada em 21 casos (5%), em correlação directa com as deficientes condições vasculares do leito receptor e com a técnica cirúrgica. A aplicação de aloenxerto ósseo no tratamento de fracturas ósseas e das suas complicações é um procedimento seguro e com resultados satisfatórios.
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10400.4/1193
Aparece nas colecções:ORT - Artigos

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Aloenxertos.pdf535,2 kBAdobe PDFVer/Abrir


Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.